HUMANIDADE

Nós humanos inteligentes e sensíveis precisamos construir, a consciência sobre nossa prática de humanização

Hannah Arendt “A condição humana” “Crianças Invisíveis”

Trago comigo imagens para   reflexão 

Hannah Arendt cientista política germânica de origem judia nascida em Linden, Hanôver, Alemanha, consagrada como um dos grandes nomes do pensamento político contemporâneo por seus estudos sobre os regimes totalitários e sua visão crítica da questão judaica. Filha do engenheiro Paul Arendt e de Frau Martha Cohn, doutorou-se em filosofia na Universidade de Heidelberg (1928) e, vítima do racismo anti-semita, fugiu para Paris (1933), onde trabalhou como assistente social atendendo a refugiados judeus. 

 “A condição humana”, Hannah Arendt alerta: condição humana não é a mesma coisa que natureza humana.
A condição humana diz respeito às formas de vida que o homem impõe a si mesmo para sobreviver.
São condições que tendem a suprir a existência do homem. As condições variam de acordo com o lugar e o momento histórico do qual o homem é parte.
Nesse sentido todos os homens são condicionados, até mesmo aqueles que condicionam o comportamento de outros se tornam condicionados pelo próprio movimento de condicionar. Sendo assim, somos condicionados por duas maneiras:  
Pelos nossos próprios atos, aquilo que pensamos nossos sentimentos, em suma os aspectos internos do condicionamento.
Pelo contexto histórico que vivemos a cultura, os amigos, a família; são os elementos externos do condicionamento.

Hannah também nos fala sobre sermos responsáveis  para apresentar e acolher,a criança na sua chegada ao mundo. O filme “Crianças Invisíveis” nos provoca a pensar sobre como acolhemos e cuidamos de nossas crianças, em nosso momento atual. Durante o filme  meu olhar sobre a representação das crianças diz o quanto apresenta-se   dolorosa,distante e inrresponsável nossa tarefa  e nosso gigante oficio. Cuidar das crianças.

Fórum Social Temático – 2012

Amigos trago algumas reflexões  realizadas no Fórum Social Temático 2012

Percepções

Possibilidades

Ações

Desigualdades

Novo olhar

Responsabilidades

Anthony Browne

Penso ser  interessante ouvirmos,Anthony Browne sobre suas reflexões relativas as ilustrações nos livros infantis.

Igualmente proveitoso apreciar as ilustrações do livro  O Meu pai

Assim também como é gratificante, observar as ilustrações do livro A Minha mãe

Quatro Marias

MARIAS

Penso que, mais uma vez a questão da adoção no Brasil precisa ser revista. Precisa agilidade nos processos de adoção.

  Quem sabe Verônica tivesse o prazer de adotar Quatro Marias.

Educação Infantil

Estou vivendo um momento, no qual percebo que, as construções afetivas, são imprescindíveis na educação infantil. Trouxe comigo as contribuições de Anthony Browne.

Livro recomendado para a Educação Pré-Escolar, destinado a ler em voz alta/contar/trabalhar na sala de aula.

Recomendado para o 1º ano de escolaridade destinado a leitura autónoma e/ou leitura com apoio do professor ou dos pais.
Também recomendado para projectos relacionados com o Natal nos Jardins de Infância, 1º e 2º anos.

O livro ideal para filhos, filhas… e especialmente mães. Livro cartonado, ilustrado a cores. Uma homenagem às mães num livro cheio de ternura. «A minha mãe podia ser bailarina ou astronauta, podia ser uma estrela de cinema ou uma grande empresária. Mas é a Minha mãe, que há-de gostar sempre de mim.»

 Este livro é um tributo aos pais num álbum cheio de afecto e de humor. Anthony Browne, alia breves frases a ilustrações muito ricas que proporcionam ao leitor uma interpretação imediata do tema. A importância da figura paternal é comunicada ao leitor através da perspectiva de uma criança que destaca as inúmeras qualidades e atributos do seu Pai. O fato de este se encontrar caracterizado por um roupão em todas as imagens, suscita um ambiente familiar informal em que a criança, através dos elementos visuais percepciona facilmente as comparações feitas. A relação entre texto e ilustrações é peculiar, visto que a expressividade das imagens permite aos leitores captarem as metáforas referidas pelo texto. Este livro é ideal para ser lido no seio familiar, podendo criar um excelente momento de cumplicidade e união entre pais e filhos.

O Meu Pai

«O meu pai podia ser um doutor ou um atleta, podia ser um dançarino ou um grande cantor. Mas é o MEU pai, que há-de gostar sempre de mim.»
Anthony Browne
Anthony Browne é um grande autor e ilustrador inglês de livros infantis, somando cerca de 40 títulos editados. Foi aluno do Leeds Art College, tendo-se licenciado em artes gráficas no ano de 1967. Recebeu vários prémios, dos quais se destacam o Kate Greenaway Medal em 1983 (Gorilla) e 1992 (Zoo); o Prémio Kurt Maschler, por Gorilla(1983), Alice`s Adventure in Wonderland (1988) e Voices in the Park (1998). É detentor do muito prestigiado prémio Hans Christian Andersen (o «Nobel» da literatura infantil) de ilustração, no ano 2000. Mais recentemente foi ilustrador residente das célebres galerias Tate.

Amor e Revolução

Amor e Revolução

Gostei. Foi  uma novela contada com sinceridade. Uma parte dolorosa da história, da sociedade brasileira começa a ser revelada para o grande público.

Muitas cenas doloridas. A dor maior é o fato de ter sido verdade. Dor maior ainda é saber que, os responsáveis por tantas torturas não foram punidos.Isso dói…há como dói.

Defender o que há de humano e justo, entre nós é uma prática eterna.

Mudanças sociais são processos históricos. Demorados,criticados,barrados,sufocados.

  Possíveis. Penso que a esperança , a visão, a práxis reflexiva sobre nossa conduta humana; há de tranformar nossa realidade ainda tão desigual em tantas parte do, planeta  Terra.

Educação é uma necessidade.

Nosso momento histórico,traz uma certa urgência, sobre, como repensar os sistemas de Educação. Penso que as práticas pedagógicas, de   Rudolf Steiner, podem acolher melhor nossas crianças de hoje, tão carentes de referências  positivas, que deveriam ser construídas, em grupos  familiares. A ação pedagógica possivelmente  precise adaptar-se, as condições  de convivío familiar comum aos dias atuais. Pedagogo

“A nossa mais elevada tarefa deve ser a de formar seres humanos livres que sejam capazes de, por si mesmos, encontrar propósito e direção para suas vidas.

Um Organismo chamado Capital

Nesta semana estive pensando, sobre as circunstâncias, nas quais acontece, o nosso processo de aprendizagens. Sabemos que, aprender é uma prática eterna da condição humana. O como aprendemos faz toda a diferença, na história da humanidade.  Quando temos, a oportunidade de fazermos, a reflexão sobre a condição, que se processou essa aprendizagem; começamos a  compreender, os motivos que mantiveram,  a dominação da condição humana. Nossa reflexão possibilita ações que podem gerar transformações.

Para ampliar nossas reflexões busquei as considerações do professor Roberto Leher,e da professora  Dalila Andrade Oliveira sobre  o livro ‘‘Educação para além do capital’’ como já falamos aqui, é um livro clássico. Indispensável para todos comprometidos com as questões que envolvem a educação.

  Mészáros discute como pensar a sociedade tendo como parâmetro, o ser humano, exige a superação da lógica desumanizada do capital que,  criou um brutal organismo de dominação  e  tem no individualismo, no lucro e na competição os seus fundamentos.

O autor deste livro sustenta que a educação deve ser sempre continuada, permanente, ou não é educação.

Defende a existência de práticas educacionais que permitam aos educadores e alunos trabalharem as mudanças necessárias para a construção de uma sociedade, na qual o capital não explore mais o tempo de lazer, pois o que as classes dominantes impõem é uma educação para o trabalho alienante.Com o objetivo de manter o homem dominado. Já a educação libertadora teria como função transformar o trabalhador em um agente político, que pensa, age, e usa a palavra como arma para transformar a realidade.

*Roberto Leher , professor da UERJ, é coordenador do Grupo de Trabalho Universidade e Sociedade do CLACSO.
Publicado originalmente no Jornal do Brasil, Caderno Idéias, 03/09/2005

Mészáros sustenta a ousadia de um pensamento político e pedagógico revolucionário: ”Hoje o sentido da mudança educacional radical não pode ser senão o rasgar da camisa-de-força da lógica incorrigível do sistema: perseguir de modo planejado e consistente uma estratégia de rompimento do controle exercido pelo capital, com todos os meios disponíveis, bem como com todos os meios ainda a ser inventados, e que tenham o mesmo espírito”.

István Mészáros

Na melhor tradição marxista, a obra é um diálogo com os protagonistas sociais – professores, estudantes e militantes – reunidos no Fórum Mundial de Educação e, nesse sentido, a exemplo dos escritos de Marx para a Associação Internacional dos Trabalhadores, essa profunda reflexão filosófica é dirigida à definição de linhas estratégicas para as lutas do presente. O desafio não é uma educação para ilustrar ou para conformar os trabalhadores para as máquinas, mas para ”transformar a realidade”.

Dalila Andrade Oliveira

Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo (USP) e professora do Programa de Pós-Graduação em Educação e do Departamento de Administração Escolar da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). E-mail: dalila@fae.ufmg.br

A necessidade imperiosa de neste momento se pensar a educação para além do capital faz desse importante ensaio uma contribuição espetacular ao debate educacional, mas mais que isso, é um convite a uma outra forma de pensar e conceber o mundo, uma pérola que somente um filósofo da estatura de István Mészáros poderia oferecer.

Escolas Sinceras

Este post traz uma preocupação com a volta às aulas. E um tanto de reflexão. O retorno às aulas frequentemente carregam, dúvidas, aflições aos pais sobre qual escola seu filho ou filha deva continuar frequentando ou irá frequentar. Trago comigo uma pergunta que sempre ouvi e não compreendia as respostas que eram sugeridas. Penso que por décadas por algum motivo, a resposta para a pergunta que eu ouvia, não foi sinceramente respondida.  A pergunta? Qual escola matricular o meu filho?

Mil respostas, muitas dúvidas sobre o sistema público e privado. Abordava-se sobre o conteúdo a ser estudado, o espaço físico que iria desenvolver a construção do conhecimento, quais atividades ou áreas de conhecimento seria mais estimulada, como seria a rotina de organização do dia das crianças, e dos jovens adolescentes, como se daria o acolhimento das crianças, qual é a proposta pedagógica da escola, como seriam equacionados os conflitos, a questão da violência, a indisciplina. Os valores humanos que serão apresentados e desenvolvidos. Quais os pedagogos que a escola fundamentava sua prática pedagógica. Todas essas questões as escolas procuravam responder aos pais. E os pais em sua grande maioria sentiam-se satisfeitos com as respostas que lhes eram dirigidas.Porém para uma porcentagem mínima de pais, as respostas para as questões violência e conflitos não foram satisfeitas. Houve omissão sobre o principal objetivo dos sistemas de ensino. Esta omissão proposital ou por desconhecimento, creio que seja necessária ser esclarecida.

Então, alguns pais começam, a questionar afinal de onde vem, tanta violência? Por que a educação fica sempre, no mesmo ponto, o que afinal acontece com o sistema Educacional. O que congela, as ações das  escolas impedindo-as de equacionar e avançar em um dos seus objetivos mais significativos; a melhoria das relações humanas.

Tentando compreender a origem destas questões continuei estudando sobre esta problemática, tive a oportunidade de estudar com professores militantes e comprometidos, com a Educação Brasileira, para minha sorte tive muitos professores bons, entre tantos lembro, neste momento, do professor e sociólogo Luiz Monteiro Teixeira, autor de livros que nos ajuda a compreender este estado de circunstâncias, na Educação Brasileira. Compartilho hoje, com um dos livros, que o professor Teixeira propôs estudarmos, penso que as contribuições do livro e as reflexões sobre seu significado e importância  nos ajudará a compreender  melhor o organismo social que gera diferentes tipos de violências, principalmente, nas escolas.

O livro proposto para estudo foi “A educação para além do capital” escrito por István Mészáros. Este livro apresenta-se como contribuição singular.

Produzido na forma de ensaio para a conferência de abertura do Fórum Mundial de Educação, realizado em Porto Alegre, em julho de 2004, o brilhante filósofo, em poucas linhas (o livro tem ao todo 80 páginas) dá, a todos os educadores latino-americanos, uma rica lição sobre o papel da educação.

Uma parte de mim percebe o quanto é difícil atuarmos como sujeitos críticos no percurso da nossa própria história, principalmente quando estamos comprometidos em orientar nossos filhos, sobrinhos, vizinhos, amigos, netos naturalmente todas  nossas crianças.

Outra parte de mim confia que, se estivermos atentos, por mais momentos, no nosso percurso, seremos capazes de nos incomodarmos com a perpetuação das injustiças  entre nos seres humanos.Afinal somos essencialmente  seres de condição  humana iguais. Os sistemas educacionais são organismos sociais que precisa aprender a fazer a crítica sobre as suas ações. Os educadores que pensam a educação, me parece estão diante de um  trabalho muito delicado ,significativo e transformador. A sua reflexão crítica e sincera sobre  a dominação do capital em detrimento da educação do ser humano, com certeza contribuirá para que, seja ampliada  a crença no advier de novos e melhores tempos.Tempos nos quais, os pais não precisarão ficar tão aflitos à respeito do que sinceramente, a Educação do país tem para oferecer aos seus filhos.

Oxalá que um dia isso seja verdade. Enquanto esperamos penso ser bom estudarmos e aprendermos sempre.

E que a escola na qual, colocarmos nossos filhos tenha em si o princípio, da amizade e a prática do diálogo sincero e que promova equacionamentos justos, na difícil construção das relações humanas, como um todo. Bom seria se os educadores tivessem acesso,  a este livro para olhar a educação de uma forma crítica, e  perceber as relações que nela estão  estabelecidas, com o capital e quais suas possibilidades de atuação.Este livro nasce como um clássico indispensável  todos que se interessam pelas questões educacionais. É leitura obrigatória para os estudantes dos cursos superiores, especialmente  aqueles ligados à formação de professores.

%d blogueiros gostam disto: